O julgamento da ADPF nº 324 e do RE nº 958252 pelo STF sobre a terceirização das atividades fins

Novas Perspectivas na interpretação do TST

Resumo

O acesso à tutela jurisdicional efetiva e justa (art. 5º, XXXV e LXXIV, CF) é garantia da cidadania no Estado Democrático de Direito (art. 1º, II, CF). Assim, através do método dialético e da técnica bibliográfico-exploratória, a pesquisa analisou a ideia de justiça e o papel do Supremo Tribunal Federal, na condição de “guardião” da Constituição e dos direitos e garantias fundamentais, evidenciando que esta Corte adotou posição elitista em desfavor dos cidadãos no julgamento conjunto da ADPF nº 324 e no RE nº 958252. Ao decidir em favor da terceirização irrestrita nas relações de emprego nas atividades meio e fim, o STF está desconstruindo direitos sociais trabalhistas, afrontando o princípio de vedação ao retrocesso social. Entretanto, em decisão recente da Subseção I da Seção Especializada em Dissídios Individuais do Tribunal Superior do Trabalho (TST-E-ED-RR-39900- 49.2007.5.24.0002) (TST-E-ED-RR-39900- 49.2007.5.24.0002), apesar de se admitir a terceirização na atividade fim, houve o reconhecimento da possibilidade de vínculo empregatício diretamente com a empresa tomadora ao se verificar a subordinação do empregado terceirizado. Tal decisão criou a possibilidade de nova interpretação no julgamento de outros casos de terceirização na atividade fim no intuito de atender efetivamente os pilares do Direito Trabalho, sendo importante reflexão para o país no momento

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliane Caravieri Martins, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Professora Adjunta na Faculdade de Direito (graduação e mestrado) da Universidade Federal de Uberlândia. Doutora em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Doutora em Ciências da Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo, Mestra em Direito Constitucional pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Especialista em Direito do Trabalho pela Universidade Braz Cubas e Especialista em Economia Empresarial pela Universidade Estadual de Londrina. ORCID: http://orcid.org/0000-0001-8784-7914

Cicília Araújo Nunes, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Mestra em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia, na área de concentração em ‘Direitos e Garantias Fundamentais’ com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) e graduada em Direito pela Universidade Federal de Uberlândia. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-4013-2070

Referências

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2006.
BARBOSA, Rui. Escritos e discursos seletivos. 3. reimpr. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1997.
BASTOS, Celso Ribeiro. As modernas formas de interpretação constitucional. Revista Jus Navigandi. Teresina, a. 3, n. 27, 23 dez. 1998. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/89. Acesso em: 02 abr. 2020.
BELLO, Enzo; BERCOVICI, Gilberto e LIMA, Martonio Mont'Alverne Barreto. O fim das ilusões Constitucionais de 1988? Revista Direito e Práxis, UERJ: Rio de Janeiro, 2018. DOI: 10.1590/2179-8966/2018/37470.
BERGEL, Jean-Louis. Teoria geral do direito. Tradução de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola e PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Tradução de Carmen C. Varriale, Gaetano Lo Mônaco e outros. v. 1, 13. ed. reimpr. Brasília: UNB, 2010.
BONAVIDES, Paulo. Teoria constitucional da democracia participativa: por um direito constitucional de luta e resistência. São Paulo: Malheiros, 2008.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 10 mar. 2020.
COMPARATO, Fábio Konder. Ética: direito, moral e religião no mundo moderno. 5. ed. rev. e atual. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
DELGADO, Gabriela Neves. A CLT aos 70 anos: rumo a um direito do trabalho constitucionalizado. Revista do TST. Brasília, v. 79, n. 2, abr./jun. 2013, p. 268-294.
DINIZ, Maria Helena. O estado atual do biodireito. 6. ed. rev., aum. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.
GAMBA, Juliane Caravieri Martins. O princípio de justiça para a unidade sistêmica do direito internacional público contemporâneo. In: MENEZES, Wagner (Org.). Direito internacional contemporâneo e seu fundamento. Belo Horizonte: Arraes Editores, 2014, p. 281-299.
JOHNSON, Allan G. Dicionário de sociologia: guia prático da linguagem sociológica. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 1997.
MARKY, Thomas. Curso elementar de direito romano. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
RAWLS, John. O direito dos povos. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
ROSS, Alf. Direito e justiça. Tradução e notas de Edson Bini. São Paulo: Edipro, 2008.
SAVIGNY, Friedrich Karl Von. Metodologia jurídica. Tradução Heloisa Buratti. São Paulo: Rideel, 2005.
SEN, Amartya. A ideia de justiça. Tradução de Denise Bottmann e Ricardo Doninelli Mendes. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). Íntegra do voto do ministro Ricardo Lewandowski na ADI contra dispositivos da lei de recuperação judicial. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=108846. Acesso em: 10 mar. 2020 (a).
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). Recurso extraordinário - RE 958252. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4952236. Acesso em: 10 mar. 2020 (b).
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). Relatores votam pela licitude de contratação em atividade-fim no julgamento sobre terceirização. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=387588. Acesso em: 10 mar. 2020 (c).
SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF). STF decide que é lícita a terceirização em todas as atividades empresariais. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=388429. Acesso em: 10 mar. 2020 (d).
TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST). Informativo nº 213. Disponível em: https://juslaboris.tst.jus.br/handle/20.500.12178/165976. Acesso em: 07 abr. 2020 (a).
TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST). Processo nº TST-E-ED-RR-39900-49.2007.5.24.000. Disponível em: http://www.tst.jus.br/web/guest. Acesso em: 07 abr. 2020 (b).
TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO (TST). Súmulas. Disponível em: http://www.tst.jus.br/sumulas. Acesso em: 10 mar. 2020 (c).
TORRES, Ricardo Lobo. Tratado de direito constitucional, financeiro e tributário: valores e princípios constitucionais tributários. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP). Carta das Nações Unidas, Biblioteca Virtual de Direitos Humanos. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br. Acesso em: 10 mar. 2020.
Publicado
2020-06-15
Como Citar
Martins, J. C., & Nunes, C. A. (2020). O julgamento da ADPF nº 324 e do RE nº 958252 pelo STF sobre a terceirização das atividades fins: Novas Perspectivas na interpretação do TST. Revista Jurídica Trabalho E Desenvolvimento Humano, 3. https://doi.org/10.33239/rjtdh.v3.62
Edição
Seção
Artigos em Fluxo Contínuo