O meio ambiente do trabalho e a saúde do trabalhador: desafios à efetivação da dignidade humana

Resumo

Este ensaio objetiva refletir sobre as doenças psicossomáticas no ambiente de trabalho. As doenças psicossomáticas, dentre elas a depressão, são os grandes males que acometem a nossa sociedade atualmente. A depressão se caracteriza pela perda ou diminuição de interesse e prazer pela vida, gerando angústia e prostração, sintoma da melancolia permanente. Essa doença pode ser desenvolvida por diversas razões, mas na sociedade atual ela vem sendo percebida e notada com maior frequência e não raro ligadas ao trabalho. As doenças psiquiátricas são ignoradas por muitas empresas, que não reconhecem a gravidade e as enxergam apenas como uma situação emocional passageira ou como falta de disposição pessoal para o trabalho, utilizando-se da conhecida prática de atribuir culpa à própria vitima. O presente ensaio objetiva a análise da possibilidade de se caracterizar a depressão como doença do trabalho, procurando delimitar até que ponto a enfermidade e o trabalho repercutem um sobre o outro, numa relação de causa e efeito, ressaltando os principais aspectos referentes aos conhecimentos relativos à depressão, em especial no ambiente de trabalho. Assim, o método empregado é o dialético dedutivo, a partir da análise documental de dados que informam a gravidade do problema, o seu tratamento no âmbito legislativo, doutrinário e jurisprudencial, diante da realidade social instalada pela nova geração conhecida como tecnológica e informacional, na qual valores humanos pretéritos passam a ter menor relevo, em especial frente à realidade do capital. Essa liquidez de entendimento social, em especial pelo empregador, lança grande desafio para a proteção do adoecido e a efetivação das suas garantias fundamentais no meio ambiente de trabalho.
PALAVRAS-CHAVE: Depressão. Meio ambiente de trabalho. Transtorno psicológico. Proteção legal ao trabalhador. Doença do Trabalho.


Abstract


This essay aims to reflect on psychosomatic diseases in the work environment. Psychosomatic illnesses, among them depression, are the great evils that affect our society today. Depression is characterized by the loss or diminution of interest and pleasure in life, generating anguish and prostration, a symptom of permanent melancholy. This disease can be developed for a number of reasons, but in today's society it has been perceived and noticed more frequently and often associated with work. Psychiatric illnesses are ignored by many companies, who do not recognize their gravity and see them only as a transient emotional situation or as a lack of personal disposition for work, using the well-known practice of blaming the victim his or herself. This essay aims at analyzing the possibility of characterizing depression as a work disease, trying to delimit the extent to which illness and work affect one another, in a relation of cause and effect, highlighting the main aspects related to the existing knowledge on depression, especially in the work environment. Thus, the method employed is the deductive dialectic, based on the analysis of data that inform the seriousness of the problem, its treatment in the legal, doctrinal and jurisprudential contexts, in light of the social reality brought forth by the new generation known as technological and informational, in which human values from the past have become less important, especially in relation to the reality of capital. This liquidity of social understanding, especially by the employer, launches a great challenge for the protection of the sick person and for the realization of their fundamental guarantees in the working environment.
KEYWORDS: Depression. Work environment. Psychological disorder. Legal protection to the worker. Work Sickness.


 

Estatísticas

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, F. M. Depressão como doença do trabalho e suas repercussões jurídicas. São Paulo: LTr, 2005.

ALMEIDA, Victor Hugo de. Consumo e trabalho: impactos no meio ambiente do trabalho e na saúde do trabalhador. 2013. 241 f. Tese (Doutorado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

______.; COSTA, Aline Moreira da; GONÇALVES, Leandro Krebs. Meio ambiente do trabalho e proteção jurídica do trabalhador: (re)significando paradigmas sob a perspectiva constitucional. In: FELICIANO, Guilherme Guimarães; URIAS, João. (Org.). Direito ambiental do trabalho: apontamentos para uma teoria geral. São Paulo: LTr, 2013. v. 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho - manual de 44 Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., Belo Horizonte, v.46, n.76, p.27-44, jul./dez.2007 procedimento para os serviços de saúde. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Previdência Social. Diretrizes de conduta médico-pericial em transtornos mentais. Brasília, 2007.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho. 16. ed. São Paulo: LTr, 2017.

DIAS, José de Aguiar. Da responsabilidade civil. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012.

GORZ, André. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.

HIRIGOYEN, Marie-France. Assédio moral: a violência perversa no cotidiano. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

JACQUES, M. G. O nexo causal em saúde/doença mental no trabalho: uma demanda para a psicologia. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Brasil, 2006.

LIMA, M. E. A. Escritos de Louis Le Guillant - da Ergoterapia à Psicopatologia do Trabalho. Petrópolis, Rio de Janeiro: Ed. Vozes, 2006.

MORETTI, Silvinha. Qualidade de vida no trabalho x Auto-realização humana. [Blumenau], 2008. Disponível em: Acesso em: 24 set. 2018.

SABONGI, Camila Martinelli. O dano existencial aplicado ao âmbito juslaboral. 2015. 72 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2015.

SABONGI, Camila Martinelli. O dano existencial na jurisprudência trabalhista brasileira e a necessidade de harmonização de políticas públicas labor-ambientais para o seu enfrentamento. 2018. 103 f. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2018.

SASAKI SFS. Trabalho bancário e fatores associados ao presenteísmo e ao absenteísmo. 2013. Dissertação de Mestrado - Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

SELIGMAN, Martin E. P. Indefensión: em la depresión, el desarrollo y la muerte. Trad. Luis Aguado Aguilar. Madrid: Debate, 2000.

TEIXEIRA, Sueli. A depressão no meio ambiente do trabalho e sua caracterização como doença do trabalho. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., Belo Horizonte, v.46, n.76, p.27-44, jul./dez.2007.

VALADARES, C. Trabalhador mais protegido. UnBnotícias, Ano 10, n. 78, 2007. Disponível em: . Acesso em 25 mai.2018.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.
Publicado
2018-12-18
Como Citar
TAVARES LIMA, Leonardo; MATTOS GONÇALVES, Vitória; CARDOSO, Jair Aparecido. O meio ambiente do trabalho e a saúde do trabalhador: desafios à efetivação da dignidade humana. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano, Campinas, v. 1, n. 1, p. 57-73, dez. 2018. ISSN 2595-9689. Disponível em: <http://revistatdh.org/index.php/Revista-TDH/article/view/6>. Acesso em: 27 mar. 2019. doi: https://doi.org/10.33239/rtdh.v1i1.6.
Seção
Artigos para o número inaugural da Revista TDH