A judicialização do conflito do trabalho na reforma trabalhista brasileira de 2017

Resumo

Este texto discute o papel da judicialização do conflito do trabalho mediado pela Justiça do Trabalho. A partir de perspectivas teóricas conceituais de resolução do conflito do trabalho e acesso ao direito, o artigo apresenta como questão central da análise as alterações no controle da interpretação judicial introduzidas pela Lei 13.467 de 2017 (“Reforma Trabalhista”). Em seguida, o texto analisa o conteúdo e alcance das alterações normativas do artigo 8º da CLT, com o objetivo de identificar a reconfiguração que produz no sistema de interpretação da norma trabalhista. O objetivo fundamental do texto é apresentar elementos argumentativos que respondam adequadamente a um modelo interpretativo do artigo 8º da CLT em conformidade com a Constituição.

Estatísticas

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBAGELATA, Héctor-Hugo. El particularismo del derecho del trabajo y los derechos humanos laborales. 2. ed. Montevideo: Fundación de Cultura Universitaria, 2009.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm. Acesso em: 26 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e as Leis nos 6.019, de 3 de janeiro de 1974, 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.212, de 24 de julho de 1991, a fim de adequar a legislação às novas relações de trabalho. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13467.htm, Acesso em: 26 fev. 2019.

FERREIRA, António Casimiro. Sociedade da Austeridade e direito do trabalho de exceção. Porto: Vida Económica, 2012.

FRENCH, John D. Afogados em leis: a CLT e a cultura política dos trabalhadores brasileiros. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica Constitucional: a sociedade aberta dos intérpretes da Constituição: contribuição para a interpretação pluralista e ‘procedimental’ da Constituição”. Sergio Antonio Fabris Editor: Porto Alegre, 2002.

ISTO É DINHEIRO. Leis trabalhistas dificultam geração de emprego, diz Mailson da Nóbrega. [2017]. Disponível em . Acesso em: 13 maio 2019.

JORNAL VALOR. Extinção da Justiça do Trabalho não é prioridade para empresas. [2019]. Disponível em https://www.valor.com.br/legislacao/6067791/extincao-da-justica-do-trabalho-nao-e-prioridade-para-empresas. Acesso em: 15 maio 2019.

MANGARELLI, Cristina. La vuelta al derecho común o civil: ¿la crisis del particularismo del derecho del trabajo? Revista de derecho, 7 (13), 53-51, 2008.

O GLOBO. Justiça concentra negociação. [2016]. Disponível em: . Acesso em 15 maio 2019.
Publicado
2019-07-03
Como Citar
MACHADO, Sidnei. A judicialização do conflito do trabalho na reforma trabalhista brasileira de 2017. Revista Jurídica Trabalho e Desenvolvimento Humano, Campinas, v. 2, n. 1, jul. 2019. ISSN 2595-9689. Disponível em: <http://revistatdh.org/index.php/Revista-TDH/article/view/34>. Acesso em: 20 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.33239/rtdh.v2i1.34.
Seção
Artigos para o Dossiê “Significado e impactos da reforma trabalhista"